Festival Rc4 de 2017

fabrica1

O ano de 2017 mal começou e já traz o Festival Rc4, evento interessante que apresenta novas direções para o mundo da Música Erudita, com artistas que buscam renovação, seja através de novas obras ou releituras de peças consagradas.

A curadoria e produção musical do evento ficou a cargo de Claudio Dauelsberg, também responsável pelo excelente PianOrquestra. Os recitais aconteceram no teatro Oi Futuro de Ipanema, nos dias 20, 21, 27 e 28 de janeiro de 2017.

A abertura ficou a cargo da Fábrica Orquestra, grupo formado por quatro contrabaixistas e dois percursionistas. Músicos de alto gabarito, cinco deles integrantes da Orquestra Sinfônica Brasileira, o sexteto recria peças já consagradas com muita engenhosidade, cruzando fronteiras entre gêneros e utilizando com maestria os timbres dessa combinação inusitada de instrumentos.  Excelente abertura do festival, em sua participação nacional.

O segundo dia ficou a cargo de Håkon Kornstad, norueguês que começou a carreira tocando sax, e já maduro resolveu estudar canto. Na apresentação do dia 21, ele mostrou toda sua desenvoltura em ambos instrumentos. Muito interessante acompanhá-lo fazendo loops (gravações ao vivo que o músico fazia e que eram repetidas), superpondo os mesmos e improvisando com o sax e cantando. Brilhante e lírica forma de unir tecnologia ao clássico. Mais uma grande experiência.

hakon

O terceiro dia ficou a cargo de dois pianistas: Gregor Schwellenbach e Klavikon (Leon Michener). Gregor possui um estilo minimalista de compor e tocar, talvez pecando pelo uso intensivo deste recurso. Klavikon utilizou excessivamente efeitos eletrônicos, gerados por distorções dos sons do piano, ficando o instrumento em segundo plano. Por momentos, suas obras lembram Trent Reznor.

O fechamento do festival ficou a cargo do excelente Kaleidoscope String Quartet, tocando de forma acústica, e fazendo cruzamento de estilos com muita segurança. As obras apresentadas são de autoria de membros do quarteto, o violinista Simon Haggendorn e o violista David Schnee. Sonoridade envolvente e empolgante.

Outro ponto bastante positivo do Festival é a possibilidade de interagir com os músicos após a apresentação e entender um pouco mais do trabalho deles e suas motivações. Ótima forma de aproximar o público e os artistas.

kaleiodoscope

Ótima forma de iniciar o ano, com um festival que apresenta novas formas de se tocar e ouvir música clássica, seja através da recriação de obras consagradas, da criação de obras  originais utilizando-se a tecnologia disponível e fazendo cruzamento de gêneros, entre outras técnicas. Fica a torcida para que a programação de música de concerto de 2017 seja tão criativa quando o Festival Rc4.

José Saliby

Rio de Janeiro, 29 de Janeiro de 2017

Advertisements
This entry was posted in Festival and tagged . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s